Secretaria de Estado da Saúde segue preparando profissionais para atender casos de dengue

O objetivo é apresentar o cenário epidemiológico, diagnosticar e intervir precocemente, tratar adequadamente e orientar os pacientes

 

O número de casos de dengue vem aumentando expressivamente em Santa Catarina nos últimos anos. Por isso, a Secretária de Estado da Saúde por meio da Superintendência de Urgência e Emergência realizou uma web aula para todos os profissionais da saúde com o objetivo de apresentar o cenário epidemiológico, diagnosticar e intervir precocemente, tratar adequadamente e orientar os pacientes.

O principal papel da rede de urgência e emergência frente à doença é evitar o óbito, pois a dengue pode evoluir rapidamente para casos graves, especialmente se não for identificada e tratada precocemente.

A dengue é uma doença infecciosa, endêmica (calor e chuva), aguda, sistêmica e dinâmica, que pode apresentar um amplo espectro clínico e variar de casos assintomáticos a graves, podendo evoluir à óbito”, explica o médico Antônio Augusto de Santana, infectologista e intervencionista do SAMU.

De acordo com os dados apresentados por Antônio Augusto durante a aula, em relação aos óbitos em Santa Catarina, em 2016 tivemos dois óbitos, 2022: 90 óbitos, 2023: 98 óbitos. Quanto ao perfil dos óbitos a incidência ocorre no sexo masculino acima dos 60 anos e feminino acima dos 30 anos. As comorbidades mais frequentes entre os óbitos de dengue, independente de grupos etários, foram a hipertensão e o diabetes.

A doença pode ser assintomática ou pode evoluir até quadros mais graves, como hemorragia e choque. Na chamada dengue clássica, que deve ser notificada, a primeira manifestação é febre alta (39° a 40°C) e de início abrupto, usualmente seguida de dor de cabeça ou nos olhos, cansaço ou dores musculares e ósseas, falta de apetite, náuseas, tonteiras, vômitos e erupções na pele (semelhantes à rubéola), que pode durar de cinco a sete dias (máximo de 10).

O tratamento é realizado a base de analgésicos e antitérmicos e pode ser feito no domicílio, com orientação para retorno ao serviço de saúde. Também são indicados hidratação oral com aumento da ingestão de água, sucos, chás e soros caseiros”, ressalta o infectologista Antônio Augusto.

Ele destaca que não devem ser usados medicamentos com derivados do ácido acetilsalicílico (AAS) e anti-inflamatórios derivados, por aumentar o risco de hemorragias. No que se refere à dengue hemorrágica, o tratamento é realizado a partir de internação hospitalar do paciente.

Nos casos graves, o choque geralmente ocorre entre o terceiro e o sétimo dia de doença, geralmente precedido por dor abdominal. O choque é decorrente do aumento de permeabilidade vascular, seguida de hemoconcentração e falência circulatória.

A dengue hemorrágica não tem relação com a baixa imunidade do organismo infectado. As formas mais graves poderiam estar associadas a uma “excessiva” resposta imunológica do organismo ao vírus, causando uma espécie de hipersensibilidade que acarretaria na produção de substâncias responsáveis pelo aumento da permeabilidade vascular.

Foto: Jonatã Rocha/SECOM