Procuradoria Especial da Mulher começa a definir ações para 2024

A Procuradoria é formada pelas vereadoras: Deise Shilke (procuradora especial), Elisiani Sanches (1ª procuradora adjunta) e Sueli Suttili (2ª procuradora adjunta). A vereadora Marcilei Vignatti participará da procuradoria, representando a mesa diretora

 

O Poder Legislativo de Chapecó aprovou, no ano passado, um Projeto de Resolução que cria a Procuradoria Especial da Mulher. O órgão que vai funcionar nas dependências da Casa Legislativa, terá o propósito de atender mulheres vítimas de violência e discriminação. No mês de janeiro, as vereadoras que integram a procuradoria, definiram ações e atividades com o intuito de iniciar as atividades.

A Procuradoria é formada pelas vereadoras: Deise Shilke (procuradora especial), Elisiani Sanches (1ª procuradora adjunta) e Sueli Suttili (2ª procuradora adjunta). A vereadora Marcilei Vignatti participará da procuradoria, representando a mesa diretora. As quatro vereadoras fizeram uma série de reuniões nos últimos dias para definir estratégias para levantar informações sobre a violência contra as mulheres, visitas em órgãos de segurança, estruturação da procuradoria e organização de eventos.

A procuradora especial, vereadora Deise Schilke (PT), lembrou que nos próximos dias serão realizadas visitas na Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI), para conhecer a realidade sobre casos de violência e discriminação, bem como levantar dados sobre o município de Chapecó. “Também estamos definindo nossa estrutura na Câmara de Vereadores. Teremos atendimento presencial e remoto”, adiantou a vereadora.

No dia primeiro de março, no mês das mulheres, a Procuradoria Especial da Mulher fará um seminário onde reunirá todas as entidades, associações e órgãos ligados a defesa das mulheres vítimas de violência e discriminação. “Será um grande debate onde poderemos discutir questões que poderão nos auxiliar a construir políticas públicas. Até porque, nossa função será de receber, examinar e encaminhar aos órgãos competentes, toda a demanda que chegar até a procuradoria”, completou Deise.