HRO integra rede de dados de alta velocidade como foco na telemedicina

A expectativa é que essa iniciativa traga benefícios tanto para os profissionais da área médica quanto para os pacientes

 

Chapecó/SC, 03 de dezembro de 2023 – O Hospital Regional do Oeste (HRO), administrado pela Associação Hospitalar Lenoir Vargas Ferreira (ALVF), deu um importante passo rumo à modernização de seus serviços. Desde março deste ano, o HRO passou a integrar a Rede Metropolitana Comunitária de Educação e Pesquisa de Chapecó, uma iniciativa que visa promover o acesso de alta velocidade às redes e infraestrutura para pesquisadores, professores, estudantes e médicos.

A integração do HRO à rede é um marco para a telemedicina, pois permitirá a realização de teleconsultas, pesquisas científicas e aulas à distância, entre outras funcionalidades. Segundo Lissandro Hoffmeister, gerente de Tecnologia da Informação da Unochapecó, “o maior destaque para o HRO é que é base para um projeto de telemedicina, logo ali na frente. Quando um médico realizar uma cirurgia remota ou algo semelhante, somente será possível com uma internet de alta disponibilidade e com abundância de recursos e é isto que o Ponto de Agregação da Rede Acadêmica Catarinense (PARC) oferece“.

A Rede Metropolitana, viabilizada pela RNP (Rede Nacional de Pesquisa), interliga diversas instituições por meio do PARC-Chapecó. Além do Hospital Regional do Oeste da ALVF, fazem parte dessa rede alunos da Unochapecó, CEOM, Pólen Parque Científico e Tecnológico, Epagri, Instituto Federal de Santa Catarina, UDESC, Universidade Federal da Fronteira Sul e UNOESC.

Reinaldo Fernandes Lopes, presidente da Diretoria Executiva da ALVF, destaca que a rede conta com dezenas de quilômetros de cabos e fibra ótica que permitem um tráfego de alta velocidade. “É mais conectividade para oferecer serviços de qualidade na área da pesquisa, do ensino à distância e da telemedicina, entre outras possibilidades“, afirma.

De acordo com o reitor da Unochapecó, Claudio Alcides Jacoski, esta é uma parceria que ambas instituições defendem e edificam a longa data. “Esse movimento de incluir o HRO neste conjunto de ações na área tecnológica, faz parte da preparação da região visando conquistar maior efetividade nos serviços de saúde do setor médico hospitalar“, destaca Jacoski.

Essas instituições fazem parte de uma rede ainda maior, a Rede Universitária de Telemedicina. Essa iniciativa, apoiada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e pela Associação Brasileira de Hospitais Universitários (Abrahue), tem como objetivo apoiar o aprimoramento de projetos em telemedicina já existentes e incentivar o surgimento de futuros trabalhos interinstitucionais. Para isso, estimula a integração e colaboração entre profissionais da saúde por meio dos Grupos de Interesse Especial (SIGs).

A telemedicina é uma ferramenta extremamente útil para pessoas que têm acesso limitado a recursos de saúde, seja por causa da localização geográfica ou de sua condição clínica. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a telemedicina é definida como “a entrega de serviços de saúde onde a distância é um fator crítico“.

Com a telemedicina, médicos e pacientes podem trocar informações e realizar consultas sem a necessidade de estarem no mesmo local físico. Essa tecnologia pode ser utilizada para monitorar pacientes, compartilhar informações médicas, analisar resultados de exames e fornecer diagnósticos e tratamentos. Para Reinaldo Lopes, essa integração do HRO à rede é motivo de comemoração, pois representa um avanço significativo na qualidade dos serviços oferecidos pela ALVF.

Com essa integração à rede de alta velocidade voltada para a telemedicina, o HRO se consolida como uma referência no uso da tecnologia em benefício da saúde. A expectativa é que essa iniciativa traga benefícios tanto para os profissionais da área médica quanto para os pacientes, garantindo um atendimento mais eficiente e acessível.

Com informações: UNOCHAPECO/RUTE e RNP