O Diário do Iguaçu divulgou nesta nesta terça-feira (14) que a dívida total da Chapecoense passa dos R$ 200 milhões. O passivo verde-branco foi atualizado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina na última sexta-feira (10). O clube do Oeste catarinense está em processo de recuperação judicial.

O jornal Diário do Iguaçu teve acesso aos números atualizados pelo tribunal. Os débitos contidos na recuperação judicial alcançam, agora, a marca de R$ 179.432.428,13. No primeiro levantamento, feito no início deste ano, as pendências chegavam a cerca de R$ 80 milhões. A diretoria da Chape já tinha noção de que os valores sofreriam reajuste.

Além dos quase R$ 180 milhões que estão na recuperação judicial, o Verdão deve aproximadamente R$ 26 milhões em tributos. Dessa forma, a dívida da agremiação é de cerca de R$ 206 milhões. Entretanto, a direção acredita que as cifras vão aumentar ainda mais, devido a novas atualizações que devem acontecer.

“Há ainda outras demandas, ações, que não foram julgadas e que não estão no rol da habilitação. Hoje falamos em R$ 206 milhões constituídos, aproximados, porém, essa dívida pode aumentar, chegando aos R$ 300 milhões. Uma situação muito preocupante, vamos precisar muito da sociedade”, comentou o vice jurídico da Chapecoense, Luiz Júnior Peruzzolo.

“É uma dívida de se apavorar. O próximo passo é reunir os credores e tentar uma redução dessa dívida e prazo para pagar. Sem essa negociação e alternativa jurídica que tomamos, com certeza, a Chapecoense hoje não teria futebol”, acrescentou.

O pedido de recuperação judicial da Chapecoense foi deferido no dia 3 de fevereiro. O Verdão já apresentou um plano de quitação, com base em deságio. Uma assembleia de credores será realizada, muito provavelmente, no fim deste ano, para se tentar chegar a um acordo.

Única alternativa

Os dirigentes entendiam que a recuperação era a única forma de manter o clube de portas abertas. Eles afirmam que a Chape estava inviável por conta do fluxo de caixa negativo e do aumento das dívidas. Luiz Júnior Peruzzolo e os demais membros da diretoria executiva assumiram a agremiação em 14 de dezembro de 2021. Os débitos foram contraídos por gestões passadas.

Estudou-se a transformação do Verdão em empresa (Sociedade Anônima do Futebol, a SAF), mas a direção entendeu o passivo poderia ser absorvido pelo novo CNPJ e descartou esta hipótese no momento.

Até que não haja um acerto com quem dinheiro a receber, a agremiação não pode pagar débito algum que esteja vinculado à recuperação judicial, para não ferir a legislação. Também não corre o risco de sofrer penhoras e novas ações judiciais, o que dá um respiro momentâneo à agremiação.

Confira abaixo documento sobre a dívida da Chapecoense, publicada pelo Tribunal de Justiça:

extratato debito chape (1)

*Matéria de Rodrigo Goulart – jornalista do Diário do Iguaçu e repórter da equipe de esportes da Rádio Chapecó

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here