O documentário de curta-metragem Magnético, produzido pela Margot Filmes de Chapecó, foi selecionado para a 25ª Mostra de Cinema de Tiradentes, que ocorre de 21 a 29 de janeiro, um dos mais importantes festivais de cinema do Brasil.

O filme será exibido na Mostra Praça, que por conta do aumento dos casos de Covid em Minas Gerais e em todo o Brasil, será online, no dia 24, às 19h. O filme vai ficar 24 horas disponível no site do festival.

O documentário de curta-metragem Magnético traz para os relatos dos moradores de Ipuaçu, no oeste de Santa Catarina, sobre os misteriosos desenhos que desde 2008 aparecem nas plantações de trigo do município e seus arredores.

O produtor executivo Cassemiro Vitorino ilustra a trajetória do documentário que recentemente o filme ganhou o prêmio de melhor filme pelo júri popular na Mostra Do Outro Lado no 28º Festival de Cinema de Vitória. A estreia do curta foi em outubro no I Festival de Cinema Nacional de Chapecó.

 

De acordo com a diretora do filme, Ilka Goldschmidt, a proposta não é atestar a veracidade sobre os agroglifos ou investigar quem são os responsáveis pelas formações geográficas nas plantações de trigo, mas sim documentar o que os moradores de Ipuaçu vivenciam e pensam sobre o fato que tem alterado a rotina da cidade.

 

Equipe em ipuaçu – Foto de Rodrigo G. Vitorino

Desde 2008 o município de Ipuaçu, que fica há 580 quilômetros de Florianópolis, no oeste de Santa Catarina, tem sua rotina de pequena cidade rural modificada entre os meses de outubro e novembro.

Um cotidiano que é alterado por um mistério, pela ação silenciosa de seres desconhecidos que deixa círculos nas lavouras de trigo, sem rastros e alimenta uma série de teses conspiratórias, alienígenas e até criminosas.

A cidade de Ipuaçu é eminentemente agrícola. Moram na cidade e no interior pouco mais de sete mil habitantes, sendo 60% destes indígenas da etnia kaingang, já que está localizada ali a maior reserva indígena do estado de Santa Catarina.

O nome Ipuaçu é indígena, da língua tupi-guarani e significa lajeado grande, uma característica do Rio Chapecó que fica próximo ao município. O lugar era habitado por indígenas, depois chegaram os caboclos e por fim, a partir dos anos 50, italianos, alemães e poloneses.

Os imigrantes vindos do Rio Grande do Sul, atraídos pelas colonizadoras, se estabeleceram e passaram a cultivar as terras catarinenses, dedicando-se às plantações de milho, soja, trigo, feijão; à criação de aves e suínos e à produção de leite.

Magnético (25’) 2021 / Margot Filmes

A pequena cidade de Ipuaçu, no oeste de Santa Catarina, é a capital nacional dos agroglifos. Entre outubro e novembro os círculos aparecem. Anoitece e não tem nada. Amanhece e os desenhos estão lá, no meio do trigo. Seres de outros planetas? Em Magnético, os seres humanos dão suas versões da história. Afinal, até que provem o contrário, eles existem.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here