A Polícia Civil de Santa Catarina realizou uma entrevista coletiva, na manhã desta sexta-feira (14), para esclarecer alguns pontos da investigação e anunciar a conclusão do inquérito sobre o ataque à creche de Saudade (SC), ocorrido no dia 4 de maio.

O delegado-geral de Santa Catarina, Paulo Koerich, disse que a Polícia catarinense recebeu auxílio e informações importantes de muitos órgãos, inclusive internacionais, como a Embaixada Norte-Americana no Brasil. Foi possível identificar outras pessoas com pensamentos semelhantes, possibilitando até alertar outros estados da Federação. Não há, no entanto, ligação com o caso de Saudades. Esses estados realizam investigações próprias.

O delegado Jerônimo Marçal Ferreira, responsável pela investigação, declarou que o autor “agiu sozinho” e que “não há qualquer indicativo de que alguém tenha auxiliado” no planejamento. Disse que o jovem de 18 anos tentou comprar arma de fogo por algumas vezes, porém não conseguiu. Então, adquiriu a faca (assim a Polícia definiu) pela internet. Essa arma chegou em sua residência cinco dias antes do ataque.

CLIQUE AQUI PARA ACOMPANHAR MAIS DETALHES DA COLETIVA 

Através da perícia em equipamentos apreendidos foi possível perceber que ele tinha acesso a muitos conteúdos inapropriados e mantinha contato com pessoas com perfis parecidos, sem, no entanto, tem planejado conjuntamente o ataque, nem ter recebido ajuda de outras pessoas. Conforme o delegado Jerônimo, o rapaz estava a cada dia mais recluso e alimentava um ódio dentro de si, não específico a algum grupo, mas que externou esse ódio no ataque.  Era uma pessoa muito isolada e tinha dificuldade de relacionamento, em um “nível muito acima do normal”, segundo o delegado Jerônimo. “Foi se isolando cada vez mais no mundo dele, se isolando do nosso mundo, e ele entrou num mundo em que ele começou a ter contato com muito material violento…e pessoas que pensavam parecido com ele…E ele começou a alimentar esse ódio dentro dele nos últimos meses”.

O local do ataque, de acordo com a Polícia Civil, só foi definido após ter recebido a arma pela internet. Ele teria pensado em atacar pessoas próximas e acabou optando pela creche em decorrência da “fragilidade das vítimas”. Jerônimo Marçal Ferreira afirmou que durante o interrogatório do acusado foi possível identificar que ele estava consciente do que fez. “Ele tem, sim, que ser responsabilizado pelos crimes graves, cruéis”, expressou o delegado. O acusado admitiu que agiu sozinho e fez todo o planejamento. A intenção seria matar o maior número possível de pessoas..

Já o delegado regional, Ricardo Casagrande, ressaltou que a entrevista coletiva serviu para falar sobre o caso e também para alertar que outras pessoas têm perfis semelhantes e pensam de forma parecida. Mesmo não tendo relação com o caso de Saudades, o alerta serve para que as polícias de outros estados possam investigar e até evitar fatos parecidos. Toda a extração de dados dos equipamentos apreendidos foi concluída.

Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, foi indiciado por cinco (05) homicídios triplamente qualificados e uma tentativa de homicídio, também triplamente qualificado. Como tentou o suicídio após o ataque, ficou internado e, tão logo teve alta hospitalar, foi encaminhado ao Presídio Regional de Chapecó, pois está preso preventivamente.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here