Na terceira rodada de debates sobre o tema, nesta sexta-feira, no Posto Leste, em Chapecó, o Ministério Público debateu com as equipes técnicas soluções para reduzir o número de faltas às consultas agendadas (o absenteísmo) na atenção básica do SUS.

Conforme dados obtidos, a taxa de faltas chega em alguns casos a 23%. O cidadão vai ao posto, pede uma consulta e simplesmente não aparece, deixando os profissionais ociosos.

O sistema anterior, que utilizava fichas, tinha o inconveniente de fazer o paciente ter que “pescar” datas de atendimento. O paciente ia, por exemplo, na segunda-feira ao posto pegar ficha para atendimento na semana. Se não conseguisse ficha naquela segunda-feira, tinha que voltar na semana seguinte, e se ainda assim não conseguisse, voltava na próxima. Na prática, as pessoas chegavam muito cedo em alguns postos, com medo de não conseguirem fichas, o que foi objeto de reclamação à Promotoria.

Uma das soluções que estão sendo previstas é a aplicação de multa para quem faltar injustificadamente. Outra, é a prática de overbooking, ou seja, agendar mais pacientes para o turno, já contando com as faltas.

Assim, se em determinado posto há dez consultas pela tarde, mas com 20% de faltas, seriam marcadas 12 consultas.

*Com informações da 13ª Promotoria de Justiça

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here